Blog

  1. BLOG

Pequeno dicionário contábil: os termos mais usados no dia a dia

No dia a dia entre o contador e o empresário, vários termos são utilizados em documentos, comentados por telefone ou pessoalmente, descritos por e-mail e, muitas vezes, o empresário fica com certas dúvidas sobre alguns “jargões” da contabilidade.

Para acabar de vez com estas dúvidas, fizemos um rápido glossário de contabilidade, para que fique por dentro de todos os termos contábeis mais usados comumente.

 

A

Amortização: redução da dívida através de pagamentos graduais antecipados, conforme combinado entre as partes.

Análise Horizontal: verifica os valores do Balanço Patrimonial, Demonstrativo de Resultados dos Exercícios e do Demonstrativo do Fluxo de Caixa, através de comparação entre os mesmos períodos anteriores.

Análise Vertical: esta permite uma avaliação de elementos que fazem parte de um determinado item, como os custos fixos e variáveis que somados dão um valor total.

Ativos: Todo bem da empresa que possui custo mensurável.

 

B

Balancete: balanço parcial, geralmente mensal, que permite a análise da situação financeira da empresa.

Balanço Patrimonial: demostra a situação econômico-financeira da empresa por meio do ativo, passivo e patrimônio líquido, relativo a um exercício social completo.

 

C

Capital de Giro: são ativos que permitem o funcionamento pleno do negócio, tais como: dinheiro em caixa, investimentos líquidos e valores a receber.

Capital de Risco: aporte financeiro feito no início da empresa, expansão e mudança de gestão, geralmente devido a serem fases com risco de incertezas no negócio.

Carta de Correção: documento para alterar alguns tipos de informações errôneas na nota fiscal eletrônica.

Classificação das Contas: significa os ativos, passivos, receitas e despesas. Mas, para que vá para a conta correta, é preciso fazer a classificação, afim de organizar os registros.

Custos Fixos: são despesas que se mantém até certo limite inalteradas, independente da produção ou das vendas.

Custos Variáveis: são despesas que variam de acordo com a produção e/ou vendas.


D

Déficit: despesa maior que a receita.

Demonstração de Fluxo de Caixa: relatório de averiguação de entradas e saídas financeiras.

Demonstração de Lucros e Prejuízo Acumulados: é obrigatório para empresas que têm escrituração contábil regular. Demonstra de que forma o lucro foi aplicado.

Demonstrações Financeiras: permite a análise da situação financeira da empresa, para tomadas de decisões.

Depreciação: custo relativo a perca de valor de um determinado bem.

Despesas não operacionais: são valores que a empresa paga e que não se encaixam nas atividades principais ou acessórias do negócio.

Despesas: valor gasto com bens e serviços para a manutenção das atividades empresariais.

Dividendos: parte dos lucros distribuídos entre os acionistas, sendo obrigatório para empresas de sociedade anônima.

Duplicata: são títulos de crédito utilizadas para transações comerciais e estabelece a compra da mercadoria ou aceitação pelo serviço prestado.

 

E

Encargos Sociais: são os direitos dos trabalhadores previstos em leis, como o 13° salário, férias, FGTS, INSS, licenças, vale-transporte, adicionais e PIS/PASEP.

Exercício Social: diz respeito ao período que o empresário tem para apresentar as demonstrações financeiras ou contábeis, dentro de um ano com a data fixada no Estatuto Social ou Contrato Social.

 

F

Fatos Administrativos ou Contábeis: provocam alterações no patrimônio da empresa, por exemplo, pagamento de salários, empréstimo bancário e compra de mercadorias.

Faturamento: soma dos valores totais apurados em vendas de produtos ou serviços, dentro de um período determinado.

Fluxo de Caixa: é uma ferramenta gerencial, que permite o administrador a visualização de entradas e saídas do caixa.

 

I

Índice de Liquidez: avalia a capacidade da empresa de cumprir suas obrigações com seus fornecedores e concorrentes.

Integralização: inclusão de bens no negócio para aumento de capital.

 

J

Juros Reais: retorno financeiro que o investidor tem acima da inflação, ou seja, o quanto realmente irá ganhar.

Juros Nominais: corresponde ao período de um ano e não considera a inflação.

 

L

Lucro Bruto: é a subtração do valor vendido pelo custo variável.

Lucro Líquido Antes do Imposto de Renda: apresentado na demonstração de resultado do exercício, é o lucro operacional menos as despesas não-operacionais, mais as receitas não-operacionais.

Lucro Operacional: lucro bruto menos as despesas operacionais.

Lucro Acumulados: valor conquistado pela empresa, para serem reinvestidos ou divididos entre os acionistas.

 

M

Margem: porcentagem de lucro na venda.

Margem de Contribuição: importante para a precificação dos produtos e serviços. Demonstra o ganho bruto, ou seja, quanto o lucro da venda de cada produto irá ajudar a cobrir as despesas e custos.

Moratória: atrasar ou suspender o pagamento de um ato acordado.

 

N

Nota Promissória: é um título de crédito que não envolve operação bancária ou empresas financeiras e funciona como uma promessa de pagamento pelo devedor.

Notas Explicativas: são complementos das demonstrações contáveis, a qual esclarece detalhadamente dívidas a longo prazo, capital e investimentos, por exemplo.

 

P

Passivo a Descoberto: quando as dívidas (passivos) superam os valores dos bens e direitos.

Passivo Circulante: obrigações financeiras que devem ser pagas dentro de um ano.

Passivo Exigível: dívidas que devem ser pagar até o final do exercício seguinte.

Patrimônio: conjunto de bens e direitos (ativos) e obrigações econômicas (passivos) de uma empresa ou pessoa física.

Patrimônio Líquido: é o patrimônio que pertence aos sócios, após ser subtraído os ativos e passivos da empresa.

Prejuízos Acumulados: são os resultados negativos dentro de um determinado período. É ideal para comparação com Lucros Acumulados, para verificação se o resultado está positivo ou negativo e, assim, fazer o Resultado Acumulado.

Princípios Contábeis: o Artigo 2º da Resolução CFC nº 750/93 (com alterações dadas pela Resolução CFC nº 1.282/10) diz que os Princípios de Contabilidade representam a essência das doutrinas e teorias relativas à Ciência da Contabilidade, consoante o entendimento predominante nos universos científico e profissional de nosso País. Diz respeito, pois, à Contabilidade no seu sentido mais amplo de ciência social, cujo objeto é o patrimônio das entidades. São eles: Princípio da Entidade; Princípio da Continuidade; Princípio da Oportunidade; Princípio do Registro pelo Valor Original; Princípio da Competência e Princípio da Prudência.

Ponto de Equilíbrio: é o valor que a empresa precisa vender para as receitas se equalizarem com os custos.

 

R

Recebíveis: também conhecido como contas a receber, são os valores devidos a partir da venda de produtos ou prestação de serviços.

Receita Bruta: o mesmo que faturamento.

Receita Diferida: é o pagamento recebido antes de ser reconhecido contabilmente.

Receita Operacional Líquida: representa a diferença entre o valor pago pelo produto, menos os impostos e descontos.

Receita Não-Operacional: são valores recebidos na empresa de produtos e serviços que não se encaixam nas atividades principais ou acessórias do negócio.

Regime de Caixa: recebimentos e pagamentos ocorridos efetivamente na apuração de um exercício.

Regime de Competência: registro de lançamento de receitas e despesas no período de sua competência.

Rentabilidade: percentual de retorno sobre o investimento realizado.

Reserva de Capital: valor obtido através do lucro, para ser utilizado posteriormente para capital de giro e demais investimentos.

Reserva de Contingência: valor reservado para cobrir eventuais gastos não programados ou períodos de ociosidade nas vendas.

Resultado Apurado: remete ao cruzamento de receitas e despesas por período, para verificação do resultado líquido da empresa.

Resultado de Exercícios Futuros: são receitas que entram antecipadamente no caixa da empresa.

Resultado Operacional: lucro conquistado a partir da dedução de despesas e custos.

 

S

Sociedade Anônima: as de capital aberto têm cotas do seu capital comercializado via bolsa de valores e permitem que qualquer pessoa possa comprar as cotas da empresa. As de fechado se assemelham às limitadas quanto a formação do capital.

Sociedade Limitada: é um tipo societário que possui um número de sócios e cada qual possui suas responsabilidades de acordo com as cotas que obtém.

 

T

Taxas Flutuantes: garantia exigida pelos bancos sobre os ativos da empresa, que variam para mais e para menos.

Termo Aditivo: tem finalidade de alterar ou acrescentar informações em contratos.

 

Agora que você já conhece a linguagem contábil, está na hora de contratar uma contabilidade experiente para garantir o sucesso de sua empresa. Entre em contato conosco e solicite uma proposta sem compromisso e conheça nossos diferenciais.

 

Leia mais:

Dicas de livros e cursos de contabilidade para não-contadores

Sou prestador de serviços. Devo contratar uma contabilidade especializada?

Dicas de como escolher um bom contador para sua empresa

Quais as responsabilidades do contador e do empresário?

10 vantagens em contratar uma contabilidade


Imagem: Adobe Stock

Compartilhar: